O artista Naïf

Basicamente, um pintor Naif nasce quando, movido por uma força interior, ele se arrisca a expressar suas emoções com tintas e pincéis. A sua transformação de pintor amador em artista, acontece quando ele descobre que o ato de pintar é sua verdadeira vocação. Autodidata, no sentido de não seguir as diretrizes de um professor de Belas Artes, o pintor Naif procura ultrapassar as dificuldades técnicas com meios próprios. Porém, como em qualquer atividade humana que se destaque, o talento é imprescindível.
Jacques Ardies, São Paulo, 1996.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Minha breve história

Vivo na cidade do Porto com a minha família.
Nasci no Brasil.
Estudei na extinta escola de publicidade na sede do Diário da Noite - São Paulo.
Sou licenciada em Administração Educacional pelo ISET - Porto.

Fui publicitária. Trabalhei na internacional J. Walter Thompson-São Paulo, cidade onde colaborei também em agências de publicidade como a Denison e a CIN e nos departamentos de marketing da São Paulo Alpargatas, Pirelli, Editora Abril.
 
Criei minha própria agência de publicidade, Constata Propaganda, onde atuei até 1973, quando passei a pintar. Dediquei-me ao desenvolvimento da Arte Naïf, uma arte bem elaborada que obedece rigorosamente os critérios de originalidade, pesquisa e respeito pelo apreciador das suas obras.
 
Na minha primeira exposição, realizada no Museu de Folclore, Etnia e História de São Paulo, minha arte conquistou o gosto do marchand Jacques Ardies, que passou a defender minhas obras em diversos países da Europa, nos Estados Unidos e no Brasil. Jacques Ardies trabalha para inserir o meu trabalho em livros didáticos, livros de arte, dicionários, galerias e museus.
 
Desenvolvo um trabalho a óleo sobre tela, livre de obediência a tendências estéticas.
 
Minha força de pesquisa, criação e elaboração, recai no gosto pelos temas ligados à música clássica e de raiz, bem como pelo quotidiano das gentes do campo e das cidades.
 
Sonho revelar ainda uma arte de tendência surrealista, de textura cristalina e com o lirismo da arte naifiana, com as imagens que povoam a minh' alma!